FOTOGRAFIA: BERND AND HILLA BECHER

Bernd and Hilla Becher

Meu olhar apaixonado pelas relações entre tecnologia & estética, design tecnológicos & artes visuais não poderia deixar de notar estes dois fotógrafos com temas tão sui generis, tão inconvencional. Faço meu tour pela internet e recolho alguns materiais, que me aparecem de vários sites e vejo que o reconhecimento de seus trabalhos foram enormes nos últimos anos.

Bernd, que morreu em 2007, pode viver um pouco deste reconhecimento: Moma, Centre Pompidou, Tate… De tal modo, quanto à apresentação desses dois artistas alemães que trabalharam muito tempo em colaboração, eu obviamente me dispenso.

O que me surpreende nas fotografias deles é poder olhar a reprodutividade técnica no meio mecânico macro; poder olhar por uma faceta diferente as gigantescas e, muitas vezes, monstruosas hipertelias técnicas criadas pelas construções industriais. Suas personalidades preferidas eram: as caixas-d’água, minas, torres de resfriamento, altos-fornos, gasômetros… Os ângulos são reveladores de uma identidade incomum, insólita, intrigante. A máquina é desmiuçada em diversas partes, em diversos ângulos. Mas sempre observados por sua totalidade. Os tentáculos da arquitetura fabril invertem da direita para esquerda, da esquerda para a direita, sempre confundindo o observador.

Ao mesmo tempo que cativante, as fotografias preto-e-branco não deixam de lembrar em mim as paisagens secas, geométricas, antipáticas e insalubres que constituíam a vida atribulada do homo faber no século XX. Nascido na Europa e sendo da geração de década de 1930, os fotógrafos viveram o apogeu da era industrial feito de chapas, válvulas, correntes; feito de concreto, ferro e aço e… fumaça, muita fumaça. De tal modo, os mundos sintéticos do vidro, do plástico estão ainda longe; com o avanço do micro no mundo digital, estas fotografias já carregam o valor de reminiscência da primeira metade do século XX.

As fotografias revelam, por fim, paisagens tão (des)humanas – sem apresentar nenhum traço de corpo humano elas não deixam de guardam a realidade antropotécnica da modernidade.

1) Winding towers, France, Belgium, Germany (in 15 parts), 1983.

2) Winding Towers, Belgium,Germany. 1971–91

3) Blast Furnaces U.S.A., Luxembourg and Germany. 1979 –1986


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: