O mundo cabalístico, segundo Borges

O MUNDO CABALÍSTICO, SEGUNGO BORGES

Por Ednei de Genaro

“Quero acrescentar duas observações: uma, sobre a natureza do Aleph ; outra, sobre seu nome. Este, como se sabe, é o da primeira letra do alfabeto da língua sagrada. Sua aplicação ao círculo da minha história não parece casual. Para a Cabala, essa letra significa o En Soph, a ilimitada e pura divindade; também se disse que tem a forma de um homem que assinala o céu e a terra, para indicar que o mundo inferior é o espelho e o mapa do superior; para a Mengenlehre, é o símbolo dos números transfinitos, nos quais o todo não é maior que qualquer das partes…”

J.L.Borges, no conto “O Aleph”

Borges, em certo momento, dedicou um texto muito específico para falar cuidadosamente de algo que o atraiu durante toda a sua vida, a saber, a forma cabalística de ver o mundo. O escritor escreveu o texto “A Cabala”, isto é, sobre o livro da mística esotérica do pensamento judaico. A obra do escritor argentino é recheada de inspirações da mística cabalística. Atento a algumas coisas interessantíssimas que ele nos fala.

O nome “Cabala” não pode ser confundido como uma simples denominação de um livro. Isto decorre da nossa dificuldade em distinguir a ideia de um “livro sagrado” de um “livro clássico”. Ora, temos a ideia natural de que um livro surge de uma ordem histórica. No entanto, precisamos de uma distinção etimológica.

A palavra “clássico”, nos fala Borges, vem de ‘classis’, de ‘fragata’, ‘esquadra’, algo representante de uma tradição e, portanto, não se confunde com o conceito oriental de “sagrado”. Por sua vez, a palavra “sagrado”, o ‘sacrum’, o que vem dos deuses, recupera uma ideia mística, não racional (porém cheia de inteligência), para entender que o livro sagrado tem as palavras, as letras, ou seja, seu conteúdo divino. O exemplo do Aleph, a primeira letra do alfabeto árabe, explicita totalmente isso.

O valor do sagrado é tão forte a ponto de se argumentar que um livro como o Corão ou Alcorão é considerado como ‘anterior à língua árabe’! É, pois, anterior a própria língua dos homens. E, portanto, não há um autor, nem vários autores. O Pentateuco dos cristãos (ou Torá, para os judeus) são livros sagrados sem qualquer autoridade subscrevendo.

Borges nos passa o valor do ensinamento do grego Pitágoras, pois ele nos disse que os livros ‘normais’ estão atados na língua. Enquanto tais, suas letras estão ‘mortas’ e cabe ao espírito torná-las vivas. Em um livro sagrado, no entanto, cabe o magnífico argumento místico: como se supõe que as letras são anteriores à fala dos homens, o livro só pode ser o instrumento, por excelência, de Deus (ou dos deuses). Aos homens, resta a atitude de ‘decifrar’ o texto de ordem absoluta (como fazem os cabalistas). O livro sagrado, por consequência, é tratado como um ser: um ser que não pensa, não obra e não existe! É um ser infinito e sem função definida… Borges é enfim sutil em evidenciar deduções filosóficas…

Outra nota surpreendente: o problema essencial da Cabala é a resolução da existência do mal. Assim como os gnósticos, os cabalistas pensam que “o universo é obra de uma divindade deficiente, de uma entidade cuja fracção de divindade tende a zero” (resultando em um Deus que não é um Deus, mas que clama por sua construção futura!).

Para os cabalistas, a lenda do Golem é ilustre.  Quando Deus criou o homem, o primeiro Golem, deixou no Pentateuco o seu nome a ser decifrado. Caso ocorra de alguém decifrar seu nome ou encontre as quatro fundamentais letras de Deus – o Tetragrama – e consiga pronunciá-la, seria capaz de também criar o Golem, o homem, e se fazer um Deus!

Ora, a conclusão dos cabalistas (e também dos gnósticos) é de que cada um de nós tem uma partícula de divindade. Cada um de nós, desse modo, não pode é fruto de um Deus prontamente todo-poderoso e perfeito, mas que pode satisfazer isso na dependência de nós mesmos!

“Tal es la enseñanza que nos deja la Cábala”, escreve Borges.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: